Geologia Camadas da Terra

As camadas da Terra são três: crosta, manto e núcleo. Elas compõem a estrutura interna do nosso planeta e possuem particularidades que as definem, como composição química, densidade e temperatura. Entre cada uma das camadas existe uma faixa de transição que recebe o nome de descontinuidade.

As diferentes camadas constituem corpos dinâmicos que apresentam processos internos próprios e também interagem entre si, resultando muitas vezes em fenômenos sentidos e observados na superfície terrestre, como abalos sísmicos, transformações no relevo e vulcanismo.

Mapa Mental Geografia Camadas Internas da Terra

Quais são as camadas da Terra?





A estrutura do planeta Terra é formada por três camadas principais, que são a crosta, o manto e o núcleo. Conforme veremos em detalhes na sequência, cada uma dessas camadas apresenta características particulares, como composição química, espessura, densidade, viscosidade e temperatura. As suas propriedades distintas fazem com que o comportamento de cada uma das camadas da Terra também seja distinto.

A análise das ondas sísmicas, fundamental para a compreensão da estrutura terrestre, permitiu ainda a identificação de descontinuidades no interior do planeta, que nada mais são do que áreas de transição entre uma camada e outra.

 Crosta terrestre

A crosta terrestre é a camada mais superficial e de menor espessura do planeta Terra, e pode ser chamada também de litosfera. Esse nome foi atribuído graças à estrutura essencialmente rochosa da crosta, constituída por rochas em seu estado sólido. Trata-se da camada sobre a qual se desenvolvem os recursos naturais, a vida animal e vegetal e as atividades humanas.

Apesar de demonstrar certa estabilidade se comparada às demais camadas, a litosfera apresenta elevado dinamismo e sofre alterações provocadas tanto pelos agentes exógenos (externos) quanto pelos agentes endógenos, que são as forças internas do planeta Terra, resultantes dos movimentos característicos das camadas inferiores, em particular do manto.

A crosta terrestre pode ser dividida em duas partes:

Crosta continental: a crosta continental é a parte mais espessa da crosta terrestre, variando de 30 a até 70 km de espessura. Os maiores valores correspondem a áreas de grandes cordilheiras, como os Andes e os Himalaias, por exemplo. As rochas da crosta continental são formadas, em sua maioria, por sílica e alumínio. Por essa razão, pode ser referida também como crosta siálica.

Crosta oceânica: a crosta oceânica é a parte de menor espessura da crosta terrestre, variando entre 4 e 7 km. Ela é formada essencialmente por rochas basálticas e diabásio, que são ambas de origem magmática (ou ígnea).

A litosfera não é uma camada contínua. Ela é formada por grandes blocos rochosos que são as placas tectônicas. Em função das correntes de convecção que acontecem no manto terrestre, as placas se movimentam (tectonismo) de forma convergente ou divergente, dando origem a formas como montanhas e fossas oceânicas, além das erupções vulcânicas e fenômenos como terremotos, maremotos e tsunamis.

Importante: Entre a crosta terrestre e a camada inferior, o manto terrestre, está a descontinuidade de Mohorovičić, compreendida como a fronteira entre essas duas camadas. A descontinuidade de Mohorovičić é caracterizada pela variação brusca da velocidade das ondas sísmicas, que aumentam sua velocidade ao passarem por essa camada.




Manto terrestre

O manto terrestre é a camada intermediária do interior da Terra. Ela fica situada entre a crosta terrestre e o núcleo, iniciando a partir de 100 km de profundidade contados a partir da superfície. A espessura total do manto pode chegar a 2900 km, dividindo-se em duas partes, manto superior e manto inferior. Em algumas fontes é possível encontrar ainda uma nova subdivisão, que é o manto intermediário ou transicional.

Manto superior: é formado por material pastoso, de elevada viscosidade e densidade menor do que a do manto inferior, e é nele onde se localiza a astenosfera. A astenosfera é a camada mais superficial do manto terrestre e é sobre ela que as placas tectônicas se movimentam, impulsionadas pelas correntes de convecção.

Manto inferior: situado entre 1000 e 2900 km de profundidade, o manto inferior é constituído por material líquido, uma vez que ele se encontra em uma região em que as temperaturas são mais elevadas do que no manto superior. A densidade é, também, relativamente maior do que a do manto superior. Ambos esses aspectos proporcionam a formação das células de convecção.

Devido às elevadas temperaturas, que chegam a 2000 °C, o manto é formado por material pastoso (viscoso), mais conhecido como magma, e líquido. O manto é constituído por silício, ferro e magnésio. Quando o material mantélico ascende até a superfície por meio do vulcanismo, seja por derrames oceânicos ou pela erupção de vulcões terrestres, ele resfria e dá origem às rochas magmáticas ou ígneas.

Importante: Entre o manto terrestre e a camada inferior, o núcleo terrestre, está a descontinuidade de Gutenberg. Nela, as ondas sísmicas S não são propagadas, uma vez que elas não se propagam em meios líquidos e aquosos, e as ondas sísmicas P, que se propagam em todos os meios, possuem redução de velocidade.

Núcleo terrestre




O núcleo terrestre é a camada mais interna da Terra, situada abaixo do manto inferior. De formato esférico, o núcleo apresenta diâmetro de aproximadamente 3480 km, com profundidades de até 6380 km, e corresponde à camada de maior densidade do planeta: 10,6 g/cm³. A elevada densidade do núcleo terrestre é atribuída à sua composição química, que consiste em uma liga metálica que se acredita ser formada por níquel e ferro. As temperaturas no núcleo podem superar os 5000 °C.

O núcleo é dividido em duas partes:

Núcleo externo: envolve o núcleo interior e se encontra no estado líquido.

Núcleo interno: camada mais interna da Terra, no estado sólido.

 1,380 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *